15/07/2017

Opinião | O Casamento Escandaloso de Lady Isabelle | Jennifer Ashley

Isabella fugiu de um casamento intenso, mas Mac estava decidido a reconquistá-la.
Durante o seu baile de debutante, Lady Isabella, de 18 anos, é «roubada» pelo mal-afamado Lorde Mac Mackenzie e casam nessa mesma noite, escandalizando o sociedade londrina. Depois de três anos de um casamento atribulado, Isabella volta a escandalizar Londres ao separar-se de Mac. Destruído pela separação, Mac dedica-se apenas à pintura. Mas sem a sua musa, percebe que também o seu talento o abandonou. Quando Isabella vê exposto um quadro do ex- -marido, percebe que se trata de uma imitação e que há um falsificador a fazer-se passar pelo famoso Mac Mackenzie. Um mistério que faz Isabella reentrar na vida de Mac.
Quando a sua linda mulher volta a cruzar a porta de casa, Mac percebe que a quer de volta à sua vida e à sua cama e tudo fará para reconquistá-la. Isabella tenta resistir-lhe, mas ao aceitar ser pintada por ele, em poses eróticas, percebe que o desejo entre ambos é uma força imparável que apenas aumentou ao longo dos anos.

(Pode Conter Spoilers)
Um dia! Apenas um dia para começar a ler este segundo livro da saga Mackenzies & McBrides e para o terminar. Apesar de ter dado as mesmas estrelas que ao primeiro livro, que nos conta a história de Beth e Ian Mackenzie, gostei mais deste. Tenho que ser sincera e dizer que tem algumas partes do livro que a mim não caíram assim muito bem, porque geralmente (e apesar da fama) os homens escoceses não são assim tão sentimentais e "moles" como Mac. 
A meu ver, no início do livro apenas tínhamos noção da "doença" e da "obsessão" que ele sentia por Isabella, a sua jovem esposa de cabelo ruivo que o abandonou há quase quatro anos. Só a meio do livro é que percebemos o porquê de ela o ter feito e o porquê de ele nunca ter desistido dela, mantendo sempre acesa a esperança de um dia poderem reconciliar-se. 
Isabella ao longo dos anos em que esteve separada de Mac, manteve-se sempre fiel a ele e, como sempre, bem amada pelos irmãos (bem como por toda a família Mackenzie) de Mac: Ian, Hart e Cameron.
Nunca Isabella escondeu que continuava a amar Mac e, desde que se tinham reencontrado após a união de Beth e Ian, aproveitava cada oportunidade que tinha para recordar-se do quanto o amava e do quanto tinham sido felizes, quando Mac era um marido amoroso, apaixonado e presente. 
É evidente que tanto ele como ela, aproveitavam cada desculpa possível para se encontrarem. Neste caso, foi Isabella que tinha um assunto deveras aborrecido para falar com ele. Mac, toda a gente sabia, era um exímio pintor e, em determinada altura, Isabella depara-se com uma pintura assinada por ele, mas que ela tinha a certeza que não tinha sido ele a pintar. Esse mistério de quem estava a fazer-se passar por ele, vai ser o mote para ele conseguir, aos poucos e poucos, aproximar-se dela e, quem sabe, voltar a conquistá-la. Desta vez, sem erros, sem obsessão e sem fugas. Apenas ele, o amor que ele tinha por ela e a devoção que ele lhe dedicava desde que a tinha conhecido.
Tenho de dizer que gostei mais deste casal do que do primeiro (Beth e Ian). Talvez por já ter tido um vislumbre tanto de Isabella como de Mac no primeiro livro, ou talvez por este casal, apesar da distância imposta tanto por um como pelo outro e pelos mal entendidos, parecer já ser tão próximo e em sintonia. Não eram um casal com receio de mostrar um ao outro aquilo que deveras sentiam. Eram sempre sinceros e abertos um para o outro. Não foi, de todo, um romance atribulado e confuso como o de Beth e o tão único Ian.
Gostei particularmente do feitio de Isabella. Apesar de todo o sofrimento que passou, não assim há tanto tempo quanto isso, consegue manter um coração amoroso, uma alma bondosa, uma mente arguta e um temperamento espevitado, bem como uma sensualidade lasciva que vinha ao de cima sempre que se encontrava com o marido. 
Era de prever que um casamento feito nas estrelas, acabasse a brilhar... Gostei bastante e como já disse, "devorei" este segundo livro da Saga Mackenzie. (adoro sagas familiares) ^_^

A caminho do terceiro e do intenso irmão do meio, Cameron!


(Este exemplar foi gentilmente cedido pela TopSeller em troca de uma opinião sincera)

14/07/2017

Novidade Vogais | Jardins em Miniatura | Holly Farrell | Espaço Saúde e Lazer


Não precisa de muitos metros quadrados para criar belos espaços verdes. Quem precisa de um grande jardim, quando pode plantar uma paisagem num único vaso ou um ecossistema inteiro num frasco de doce? Jardins em Miniatura mostra-lhe como criar jardins minúsculos mas muito gratificantes.

Com floreiras que vão desde bules a rolhas de cortiça e frascos de doce, existem jardins que se adequam a cozinhas e casas de banho, salas de estar e escritórios. No exterior, pode-se fazer um jardim em miniatura simplesmente através da colocação de um vaso no parapeito, no alpendre ou na varanda.
A jardinagem em miniatura não é só para aqueles que têm pouco espaço, é também para os que têm pouco tempo. Os projetos de jardinagem descritos neste livro são de fácil realização e manutenção e não requerem experiência anterior. Todos os esquemas de plantação possibilitam a sua adaptação aos seus gostos e imaginação. Introduzir alguma vegetação na vida tem benefícios bem documentados. Estes jardins em miniatura são ideais para inspirar pessoas de todas as idades a praticar um pouco de jardinagem, seja uma floreira de janela, um vaso à porta de casa ou um terrário no parapeito.
Os capítulos são fáceis de percorrer para se ocupar num dia de chuva (ou de sol), e muitos dos jardins têm a vantagem de ficar completos e adultos de imediato, o que faz deles prendas fantásticas para adultos e crianças. Um livro criativo, divertido e que irá estimular a imaginação de miúdos e graúdos!
PAISAGENS EM MINIATURA
Um bosque de salgueiros; Um prado de verão; Uma selva num vaso; Uma floresta de inverno; Um terraço de suculentas; Adaptação ao calor; Um relvado numa caixa.

TERRÁRIOS
Ecossistemas em miniatura; Recipientes de terrário e camadas básicas; Plantio de terrário; Terrários de folhagem e flores; Terrários de cactos; Terrários de bolbos de floração na primavera; Terrários de plantas carnívoras; Aquários; Terrários de musgo e líquenes.

JARDINS VERTICAIS
Lua de plantas aéreas; Arte com musgo; Graffíti de musgo; Kokedama; Jardins suspensos; Jardins de parede; Jardins em coroa.

JARDINS AQUÁTICOS E SELVAGENS
Lagos em miniatura; Jardins para abelhas e borboletas; Jardim numa caixa; Jardins para mini-criaturas.

JARDINS PRODUTIVOS
Jardins de ervas aromáticas; Torre de morangueiros; Bule; Quadro de microfolhas; Plantação de ananases.

O BÁSICO DA JARDINAGEM EM MINIATURA 
Plantar jardins em miniatura; Manutenção de jardins em miniatura; Rega; Alimentação; Pragas; Doenças.

Holly Farrell passou dois anos nos Jardins Wisley, no Surrey, Reino Unido, que fazem parte da Sociedade Real de Horticultura (Royal Horticultural Society). Aí, obteve um diploma em Practical Horticulture e o Certificado e Diploma RHS (ambos com louvor), e ganhou o Prémio Nicholson pelo seu contributo geral para os Jardins Wisley, enquanto estagiária. Depois de trabalhar como jardineira-chefe em propriedades privadas, actualmente conjuga o design de jardins para clientes particulares com a sua carreira enquanto escritora de artigos e livros de jardinagem.

Opinião | A Sereia | Kiera Cass


Anos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, precisa usar sua voz para atrair as pessoas para se afogarem no mar. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que ela conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo o que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar — pois a voz da sereia é fatal —, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir, Kahlen será obrigada a abandonar Akinli para sempre. Mas pela primeira vez em muitos anos de obediência, ela está determinada a seguir seu coração.
(Pode conter spoilers)
Tenho de dizer que gosto imenso de como Kiera Cass escreve e este livro não foi excepção. Gostei de ler algo dela que não fosse sobre a saga A Selecção e um mundo rodeado de vestidos e reis e rainhas, príncipes e princesas.
Adoro o Ser Mitológico que Kiera escolheu para escrever esta história. As Sereias. Admito que, em certas ocasiões, fazia-me lembrar do conto da Disney "A Pequena Sereia", mas ao avançar na leitura, convenci-me de que não tinha nada a ver. Neste livro, as sereias não eram apenas seres belos e hipnotizantes. Eram seres utilizados para matar e cumprir as vontades da sua Mestra: Oceano. Nada de tritões, nada de bruxas gordas e feias à espera da sua vingança. A única coisa remotamente em comum com A Pequena Sereia foi o facto de todas as sereias, quando em Terra e autorizadas a tal pela própria Oceano, não poderem falar com ninguém, pois assim que alguém ouvisse as suas vozes o seu destino era apenas um: a morte.
Neste livro temos acesso à história de Kahlen, que, por algum motivo, foi salva por Oceano aquando de um naufrágio que vitimou toda a gente que ia no cruzeiro que se afundou, família incluída. 
A única coisa que Kahlen e todas as outras sereias teriam de fazer, era pagar a sua dívida para com Oceano, tornando-se Sereias por cem anos, findos os quais, a dívida seria dada como paga e as sereias poderiam partir, sem terem qualquer recordação dos anos que passaram como sereias.
Um aparte: Sabem aquela ideia pré-concebida que temos das Sereias? Seres com caudas de peixe enormes, cobertas de escamas luminosas e belas como jóias, com longos cabelos brilhantes e (revoltantemente) belos, voz límpida e completamente irresistível e hipnótica que leva a que os humanos, principalmente os homens sucumbam aos seus desejos? Pois bem, Kiera Cass apresenta-nos seres aos quais as espantosas caudas de peixe foram retiradas e substituídas por vestidos fantásticos (obviamente), feitos de sal. Os cabelos compridos e selvagens foram ligeiramente alterados e transformados em cabelos arranjados e bem penteados. 
Aquelas sereias tímidas e distantes, mas, mesmo tempo perigosas, eram agora meras raparigas, de uma beleza incrível, que iam de cidade em cidade, sem falar com ninguém, que apenas queriam divertir-se em festas loucas e aproveitar o que o mundo terreno lhes tinha para oferecer, e apenas quando Oceano precisava delas é que elas iam para a água. No entanto, Kahlen era diferente. Já era Sereia há oitenta anos e ainda assim, só se sentia bem dentro de Oceano, em perfeita comunhão com a entidade que a havia tornado no que ela era. Por vezes sentia-se confusa, por não saber porque é que havia sido escolhida para tal destino, sendo que como humana, Kahlen era apenas uma miúda que gostava de conforto e que era, naturalmente, banal, como tantas outras. Contudo, outras vezes, sabia bem porque é que Oceano gostava tanto dela, se calhar mais do que às outras. Tudo se resumia à dedicação.
Seria de esperar que Kahlen conseguisse cumprir a sua dívida, no entanto, ter-se apaixonado por um rapaz, um humano, não ajudou em nada a realizar essa tarefa sem dificuldade. 
Gostei do facto de Kiera não ter optado por um romance lamechas e com um final previsível. Há que saber sofrer e merecer o amor quando ele nos bate à porta e, a história de Kahlen e Akinli é, simplesmente, adorável, sofrida e cheia de altos e baixos que apenas servirão para que no final, ou a caminho dele, tudo se torne mais doce e recompensador. 
Ao longo do livro, temos várias facetas de Oceano. É egoísta, intransigente, invejosa e carente. Passa de ser uma entidade que apenas pensa em si e nos seus próprios desejos e vontades e começa a abrir os olhos aos sentimentos das suas filhas. Acabará por chegar à altura em que se aperceberá que terá de abdicar de algumas regras e limites se quiser manter-se no coração de todas as sereias que foi criando ao longo dos séculos, principalmente de Kahlen.
Acaba por ser um romance que nos entra no coração e nos enche de esperança de que se lutarmos por aquilo que queremos, seja uma pessoa, um objecto ou uma finalidade, conseguimos sempre obter o que o nosso coração mais deseja.

(Este exemplar foi gentilmente cedido pela Marcador em troca de uma opinião sincera)

12/07/2017

Novidade BookSmile | Ser Quem Sou | Margarida Fonseca Santos | Espaço Infanto-Juvenil

Crescer é um desafio enorme. E a adolescência é fértil em escolhas difíceis. Nos livros da colecção «A Escolha é Minha», de Margarida Fonseca Santos, os silêncios transformam-se em histórias. Cada livro quebra tabus e encara os problemas de frente. Para os jovens leitores fazerem o mesmo. Ser Quem Sou, o novo volume da colecção, aborda as dificuldades que aparecem na escolha de um futuro profissional e na revelação aos pais da orientação sexual. 
Nos outros títulos, Bicicleta à Chuva, À Sombra da Vida, Reconstruir os Dias e Está nas Tuas Mãos, Margarida escreveu sobre temas actuais entre os jovens, como o bullying e amizade, o divórcio e o alcoolismo, a morte e a capacidade de reconstruir a vida depois de uma perda, saber lidar com uma doença crónica, mas também com a importância de nunca desistir.

Aquelas férias, em que os primos iam estar todos juntos - a Matilde, o João Pedro, o Jorge e o Vicente -, prometiam ser divertidas e fantásticas.
De repente, a discussão instala-se em redor da Matilde e dos seus pais, que a querem forçar a escolher um curso do Secundário que não lhe interessa. E esta não é a única prima com problemas por desvendar e por resolver. Também o João Pedro receia a reacção dos seus pais quando lhes revelar a sua orientação sexual.
Ainda assim, aquelas serão as melhores férias de sempre, porque, entre discussões, partilhas e cumplicidades, cada um tem a coragem de assumir ser quem é e revela abertura para aceitar as diferenças dos outros.​

As primeiras páginas podem ser lidas aqui.

Novidade TopSeller | Possuída pelo Passado | Sara Flannery Murphy

Um livro que combina suspense psicológico, drama erótico e um misterioso assassinato.
Os direitos já foram vendidos para cinema.

«Com o seu enredo fluido, este livro mostra o amor, a perda e a obsessão de uma forma imaginativa e sedutora.»
Daily Mail

«Sublime… Mergulhe, da primeira à última página, neste romance inesquecível e impossível de parar de ler.»
Booklist

Já todos perdemos alguém que amamos muito.
E se, finalmente, for possível comunicar com o «outro lado»?

Edie trabalha há cinco anos na Sociedade Elisiana, uma empresa que fornece um serviço altamente exclusivo e especializado: os clientes podem comunicar com o espírito dos seus familiares mortos através dos corpos dos empregados. A jovem Edie é a melhor da sua equipa, sendo reconhecida pelo seu profissionalismo e discrição.
Porém, tudo muda quando Patrick contrata este serviço para falar com Sylvia, a sua falecida mulher. Edie passa cada vez mais tempo com ele, e acaba por se apaixonar pela vida do casal. Um fascínio que se torna uma incontrolável obsessão ao descobrir as misteriosas circunstâncias em que ocorreu a morte de Sylvia.
As personalidades e histórias de Edie e Sylvia começam a diluir-se. Depois de vários anos sem tempo para si, Edie quer apenas recomeçar tudo e ter uma vida nova. Mesmo que seja a de uma mulher morta.

Sara Flannery Murphy cresceu no Arkansas, EUA, onde repartia o seu tempo entre Little Rock e Eureka Springs, uma pequena comunidade de artistas nas montanhas.
Sara concluiu o seu mestrado de escrita criativa na Washington University, em St. Louis, e vive actualmente no Oklahoma com o marido e o filho.

Possuída pelo Passado é o seu primeiro romance e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura aqui