23/06/2017

Book Blitz | Don't Look Back | Vicki Tharp | Giveaway included in the end


Ridley Meyer’s latest murder left him unsatisfied, but the spitfire with the U-haul may provide just the challenge he craves.
Veterinarian Audrey West is running out of time, yet she is determined to keep her inherited home out of foreclosure. With no more than a dream, a prayer, and a packed U-Haul, West moves back home to complete the expensive repairs. Just when Audrey thinks she might pull off the impossible, she finds her dream is not the only thing being followed.
Scott Romero has it all—money, ambition and a growing reputation as the city’s top veterinary surgeon. However, when his best friend Audrey is abducted by a killer, Scott realizes what he doesn’t have and he must risk losing his job, and his life, to save her.

Don’t Look Back was a 2007 Romantic Suspense finalist in the Romance Writer’s of America Golden Heart writing contest.


Purchase
Amazon | B&N |Kobo |iBooks

Born with a love for animals, author Vicki Tharp pursued a career as a veterinarian, graduating from the Texas A&M College of Veterinary Medicine in 1992. Always an avid reader of mystery and suspense, she combined her interests into her first book entitled "Don't Look Back". 

She makes her home in south Texas with her husband, two children and pets too numerous to mention.
Stay in contact at:

Excerpt from "Dont' Look Back"
"(...)He leaned in to scrutinize his work. "Let me see."
She turned toward him.
He pushed her hand out of the way. He poked. He prodded. He pressed. "I did Doctor Frankenstein proud. Maybe my stepmother was right. I should’ve been a real doctor. At least I wouldn’t have risked my veterinary license stitching you up."
"I don’t—"
"I know. I know. You don’t like hospitals."
"It’ll take more than a little thump to get me in one again."
"Little thumps don’t require stitches. Little thumps don’t give you a concussion. And little thumps don’t get you almost killed."
"Not this again."
"Yes. This again."
He raised his hands and took a step back. "Do me a favor."
"What’s that?"
"The next time one of your clients waves a gun around, stay out of the way."
"What in the purple hell did you expect me to do? Let her kill herself?"
"You should’ve gone for help."
"Ms. Sims wasn’t trying to hurt me. Her dog, her baby, dropped dead. She was distraught, disturbed. If I hadn’t nosedived into the bench grabbing for the gun, I doubt
I’d’ve had a scratch on me." Audrey squeezed her head to keep it from exploding.
"You’re not Superwoman. Bullets won’t bounce off you."
She didn’t have the energy for this. "Finished?"
"Not hardly." Scott tilted his head and gave her that sexy half-smile. That devilish smile. That maddening smile the lucky few had followed to his bed.
It was too painful to think about, and not just because of her headache, so she pushed it from her mind. "Thanks for letting me crash at your place last night. And for stitching me up."
She’d stuffed everything she owned into her truck and U-Haul trailer. That wasn’t saying much since the truck and trailer were small.
"Staying at a hotel by yourself with a concussion wasn’t and option. As for the other, I don’t know how you talked me into it. You’ll probably have a scar."
"Not a problem as long as your malpractice is paid."
A laugh rumbled his chest, but the smile quickly slid from his lips. "You should stay a day or two. Make sure you’re really okay."
Audrey scooched back and propped herself up against the leather headboard. Her brain protested behind the fireworks and the nine-piece drumline. "I’ve only got thirty days to finish the repairs on my uncle’s house. I have to leave today. I’ll call you from the road, let you know I haven’t bled out into my head."
"Not funny." Scott frowned but kept her gaze. "I’m due at the animal hospital at seven. I’m going to miss having you around. Guess I can’t talk you into staying for good, huh?"
"What?" Her voice jumped two octaves. "Who’s the one who stood in my kitchen two weeks ago and told me I should go? ‘This is your last chance to make good on your promise to your uncle,’ you said. ‘Take a chance on your dream,’ you said. Don’t even—"
"Down, girl." Scott eased her back into the pillows with a hand on her shoulder.
Thank God. Hells-bells clanged in her head.
"Forget I said anything. At least sleep for a few more hours and then head out. You don’t look so hot."
No kidding.
He patted her leg and by the way he didn’t get up to leave, she knew he wanted to say more, but he wasn’t any better at goodbyes than she was. Then Scott braced his hands on either side of her head, and planted a quick kiss on her nose. Like an adult to a child.
It might have hurt less if he’d eviscerated her with a spork.
She was leaving Texas. This morning. For good.
She snagged his tie. "If that’s the best you can do, Romero, it’s no wonder your girlfriends leave you."
Why had she baited him? He couldn’t refuse a challenge, any more than a dachshund could refuse table scraps.
Was her mind muddled from the concussion? Or was she finally thinking clearly? One kiss. That’s all she wanted.
Like a lover, not a friend. Stupid. He’d locked her in the friend-zone years ago.
Except for the night of her high school graduation.
And two weeks ago when he’d convinced her she should leave.
The look in his eyes was the same now as then. Want, need, hunger.
Hand over hand she pulled him down. His lips brushed hers. Her breath caught. She blamed the
concussion. Her hands trembled. She blamed the pain. Her heart hurt. She blamed herself.
She wrapped her arms around his neck, deepened the kiss, tasted the coffee on his tongue, smelled the subtle tang of surgical scrub that never quite left his skin. She tilted her head, and he nipped her lips, traced the line of her jaw and down to her pounding pulse at the base of her neck. She guided him on top of her, his weight braced on his arms, but she drew him down until his full weight pinned her.
She floated.
No fears, no worries, no will power.
No wondering if she should stop or if she could stop - because she didn’t want to stop.(...)"


Opinião | Um Pedacinho de Céu | Julia Quinn

.
Quem conhece Honoria Smythe-Smith sabe que, para lá das suas inúmeras qualidades, a jovem tem algumas... enfim... particularidades, nomeadamente:
1. É uma entusiástica (e péssima!) violinista
2. Fica fora de si sempre que alguém diz “Bicho”
3. NÃO está apaixonada (não está!) pelo melhor amigo do irmão 

Já Marcus Holroyd, conde de Chatteris, é o seu oposto. É um rapaz tímido e responsável, mais conhecido por:
1. Ser lamentavelmente dado a entorses do tornozelo
2. Carregar o fardo de ser um dos solteirões mais cobiçados
3. NÃO estar (de todo!) apaixonado pela irmã do melhor amigo 

Juntos...
1.São grandes amigos
2. Comem quantidades escandalosas de bolo de chocolate 
3. Sobrevivem ao pior espectáculo musical do mundo

Julia Quinn tem para eles planos que incluem...
1. Uma febre mortífera 
2. Momentos (muito!) embaraçosos
3. Um final desesperadamente romântico

(Pode conter spoilers)
Mais uma vez, Julia Quinn não me decepcionou. Bem ao seu estilo a autora traz-nos uma história de amor e aventuras entre Honoria e Marcus. Se bem que não seja tão bom como a série Bridgerton (os quais podemos rever em momentos fugazes durante as páginas deste livro), é uma história que nos prende e nos cativa desde o início. É um livro que nos traz mais doçura do que erotismo, não fossem eles amigos de infância. Honoria é uma jovem cheia de vida, mas sempre bem educada e sensível. Marcus, por sua vez, tornou-se num homem um pouco solitário e com uma missão: Proteger Honoria de um casamento infeliz, sem que ela o saiba. Isso vai tornar-se numa missão deveras hilariante, acreditem.
O livro centra-se, sobretudo, na tão falada febre fatal que Marcus contrai devido a uma infecção não detectada. Não me importei com isso, mas gostaria de ter visto um pouco mais de "fogo" entre eles os dois, mas estando ele acamado e intermitentemente entre a consciência e a não consciência seria complicado. Adorei ver a dedicação de Honoria para o salvar, mesmo indo contra todas as probabilidades de salvação, uma vez que naquela altura era muito difícil alguém sobreviver a uma infecção tão grande, ainda para mais com tão poucos recursos médicos. Pode-se mesmo dizer que foi o amor, o carinho e a amizade dela que o salvaram. No entanto, a mãe dela também teve uma grande dose de responsabilidade na recuperação de Marcus, e aqui tenho de dizer que gostei imenso de ver que a mãe de Honoria preocupava-se com o bem estar da filha e que não se tinha esquecido dela ou desistido dela, como muitos pensavam. Revelou ser uma mulher cheia de sabedoria e força interior, bem presentes na forma como educou Honoria e o seu filho (melhor amigo de Marcus) que fugiu do país por conta de um mal entendido, causando a todos grandes agonias e tristezas. 
Os momentos em que Honoria e Marcus estão juntos, são sempre momentos cheios de um humor mordaz e sempre, mas sempre sem revelarem o que realmente sentem. Toda a gente sabe (toda a gente que já leu) que Julia Quinn aposta sempre em personagens inteligentes, generosas e muito bem humoradas, com a capacidade de nos fazer rir até às lágrimas e de chorar de emoção. 
Gostei bastante deste livro e aguardo ansiosamente pelo segundo volume desta nova série de Julia Quinn que promete muitas boas horas de leitura e de lazer.

22/06/2017

Novidade Saída de Emergência | Os Caminhos do Amor | Nora Roberts


Chancela: Chá das Cinco
Saga/Série: Primos O’Dwyer Nº: 1
Data 1ª Edição: 14/07/2017
ISBN: 9789897102974
Nº de Páginas: 320

Iona Sheehan sempre ansiou por devoção e aceitação dos pais, mas foi só na terra da avó que recebeu os dois: Irlanda, país de florestas exuberantes, lagos deslumbrantes e lendas centenárias, onde o sangue e a magia dos antepassados fluem há gerações.
Iona chega à Irlanda apenas com as indicações da avó, uma atitude otimista perante a vida e um talento inato com cavalos. Perto do castelo luxuoso onde está hospedada, encontra os seus primos, Branna e Connor O’Dwyer. E como família é família, eles convidam-na para a sua casa e para as suas vidas.
Quando Iona arranja emprego nos estábulos locais e conhece o dono, Boyle McGrath, todas as suas fantasias se reúnem num só homem. Será que com ele vai conseguir viver a vida com que sempre sonhou? Infelizmente nada é o que parece. Um mal antigo espalhou-se na sua família e tem de ser combatido. E quando família e amigos lutam entre si, será possível encontrar os caminhos do amor?


Disponível a partir do dia 14-07-2017


Novidade Marcador | As Bruxas | Stacy Schiff

Intriga, traição e histeria em Salem

O pânico começou no início de 1692, durante um inverno rigoroso como nenhum outro, em Massachusetts, quando a sobrinha de um pastor religioso começou subitamente a contorcer-se e a gritar. A notícia espalhou-se rapidamente, deixando confusos até os homens mais esclarecidos e os políticos proeminentes da então colónia inglesa.
Começaram as acusações perniciosas, entre vizinhos, maridos e mulheres, pais e filhos. Tudo acabaria apenas um ano mais tarde, mas a histeria resultara já no enforcamento de 19 homens e mulheres.
Os julgamentos de Salem são um dos momentos em que as mulheres tiveram um papel central na história norte-americana.
Com uma clareza devastadora, Schiff mostra-nos as tensões da vida colonial sob o puritanismo e obscurantismo religioso e dos inimigos invisíveis e inventados. As Bruxas é a história, verídica e fascinante, de um mistério primordial da história americana, aqui revelado com uma extraordinária atenção ao detalhe e a prosa empolgante de uma historiadora bestseller, vencedora do Prémio Pulitzer e aclamada pelo público.

STACY SCHIFF É autora do livro Véra (Mrs. Vladimir Nabokov), vencedor do Prémio Pulitzer; da biografia de Saint-Exupéry e do bestseller do The New York Times Cleopatra: A Life, tendo sido traduzido em mais de 30 línguas.
Schiff é colaboradora da revista The New Yorker, do The New York Times, do Washington Post, da revista New York Review of Books, do Los Angeles Times, e vive em Nova Iorque.​

Novidade Clube do Autor | A Mulher do Camarote 10 | Ruth Ware

Ruth Ware.
Se o nome lhe é familiar talvez isso se deva às muitas comparações a Agatha Christie ou então porque ainda tem presente o primeiro livro da autora publicado em Portugal, Numa Floresta Muito Escura. A autora está de volta às livrarias nacionais com A Mulher do Camarote 10, um thriller pleno de suspense e reviravoltas, à boa maneira da talentosa escritora britânica.

Tudo começa com um convite inesperado para uma viagem de sonho. Lo Blacklock, jornalista, recebe um convite irrecusável: acompanhar a primeira viagem do cruzeiro de luxo Aurora Borealis. O serviço é exclusivo e a bordo estão vários empresários e pessoas influentes da sociedade. No entanto, a viagem ganha outros contornos para jornalista. Certa noite, testemunha aquilo que acredita ser um crime no camarote ao lado do seu.
Desesperada, denuncia o ocorrido aos responsável pela embarcação. Ninguém acredita na sua versão pois todos os passageiros continuam no navio. Blacklock decide investigar o crime por conta própria. Colocando a carreira e a própria vida em risco, ela não vai descansar enquanto não encontrar resposta para o mistério do camarote 10.

“Não aconteceu nada. Estamos todos seguros. Para de procurar.”

Dia 5 de Julho nas livrarias.